ICOM Portugal divulga texto intitulado O AZULEJO PORTUGUÊS COMO PAISAGEM CULTURAL e o ‘Projeto SOS Azulejo’

Depois de o ICOM internacional ter  reconhecido o azulejo português como ‘paisagem cultural’ num artigo intitulado “Azulejo awareness: towards the protection of a unique Portuguese cultural landscape”, assinado pela coordenadora do ‘Projeto SOS Azulejo’ no Boletim ICOM News de dezembro de 2015, coube agora ao comité nacional do ICOM defender a mesma posição, através de um texto assinado pela mesma museóloga, Leonor Sá, texto a que pode aceder AQUI.

Este reconhecimento será importante a diversos níveis, e terá certamente implicações positivas na salvaguarda e na valorização do património azulejar português, sobretudo num momento em que se aguarda feedback do Parlamento em relação às propostas de legislação aí apresentadas pelo ‘SOS Azulejo’ em fevereiro de 2016, com vista à implementação de medidas específicas de proteção dos azulejos portugueses a nível nacional, e em que se aguardam notícias da DGPC relativamente ao andamento do processo de candidatura do azulejo português a Património Mundial.

O conceito de ‘paisagem cultural’, recorde-se, é muito recente, tendo sido cunhado pela ‘Carta de Siena’  – aprovada pelo ICOM em 2014 – e defende um maior envolvimento interdisciplinar dos museus em questões patrimoniais, em diálogo com outros organismos, instituições e autoridades, “alargando a sua responsabilidade desde as coleções até ao património e ao território.” (Carta de Siena, n.5), tal como o Museu de Polícia Judiciária tem vindo a fazer com o ‘Projeto SOS Azulejo’ desde 2007. Recorde-se também que o tema ‘Museus e Paisagens Culturais’ foi o tema escolhido pelo ICOM para o ‘Dia Internacional dos Museus’ em 2016, assim como para a sua Conferência Trienal, que terá lugar em Milão também em 2016, em julho.

Artigo escrito por