Conselhos Práticos

Prevenção Criminal Conservação Preventiva

Conselhos Sumários

Não compre azulejos antigos sem se certificar da sua origem lícita.
Colabore na dissuasão deste tipo de comércio ambíguo. Se tiver alguma informação sobre azulejos históricos e/ou artísticos furtados, avise imediatamente a Polícia Judiciária, a PSP ou a GNR.
Se é proprietário de azulejos históricos e/ou artísticos, proteja-os, fotografe-os (procure anular os reflexos e guarde as fotos) e, se necessitarem restauro, recorra só a técnicos especializados credenciados. DURANTE AS OBRAS GUARDE CUIDADOSAMENTE OS AZULEJOS REMOVIDOS E NUNCA OS DEIXE SEM GUARDA!
Se tiver conhecimento da demolição/ ou remodelação de um edifício com azulejos antigos, contacte a sua câmara municipal.

Se pretender elaborar o seu inventário de azulejos in situ, consulte AQUI o GUIA DE INVENTÁRIO DE AZULEJO IN SITU, elaborado pelo Parceiro do SOS Azulejo RIA – IHA – FLUL (Rede de Investigação em Azulejos, Instituto de História de Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), ex-RTEACJMSS – IHA – FLUL (Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões, Instituto de História de Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) e pelo Museu Nacional do Azulejo, representante do Parceiro DGPC (Direção Geral do Património Cultural) no SOS Azulejo e pelo IHRU/SIPA.